logotipo
logotipo

Notícias DONMARIO

VOLTAR

Caminho Produtivo: Primeiros passos | Por Carlos Pattis

Carlos Pattis, Gerente de Desenvolvimento DONMARIO MAS

O primeiro aspecto levado em consideração no momento da implantação de uma lavoura é o local de plantio. Qual a altitude, tipo de solo e condições climáticas que sua propriedade possui? E mais: quais cultivares são adaptadas à região? O Ministério da Agricultura divulga anualmente uma Portaria com os nomes das cultivares e suas regiões de adaptação aprovadas pelo zoneamento agrícola. Essa informação é fundamental, pois a maioria dos programas federais de crédito e seguros rurais se baseiam neste zoneamento. (Confira a região de adaptação das cultivares DONMARIO)

Além do local de semeadura, é importante conhecer o potencial produtivo de cada cultivar, o que elas oferecem em termos de tecnologia e melhoramento genético e qual material atenderá melhor suas necessidades. Por exemplo, se você pretende plantar milho safrinha, o ideal é optar por cultivares de ciclo mais precoce e com bom estabelecimento dos plantios iniciais. Seu problema é acamamento? Plantas de arquitetura moderna podem ajudar nesse problema.

É importante frisar que não existe uma regra geral. A cultivar ideal será aquela que conseguir reunir o maior número de benefícios para você, conforme as condições e necessidades atuais, além de um desempenho que permita extrair a máxima produtividade da lavoura. Nem sempre essa é uma avaliação fácil e procurar um Engenheiro Agrônomo pode ser o mais recomendado.

Época de semeadura: Depois de escolher aonde e qual semente plantar, é preciso definir quando realizar a semeadura, pois isso irá impactar no porte, ciclo e rendimento da soja, visto que a época de semeadura é que determina o tempo de exposição da planta às variações climáticas. O período ideal de semeadura varia de região para região (veja a época de plantio por região), porém, de forma geral, são as primeiras precipitações que marcam o início do plantio.

É preciso ficar atento às previsões meteorológicas, pois o plantio sob o solo muito seco e compactado prejudica a emergência das plantas, necessitando muitas vezes fazer o replantio. Por outro lado, chuvas em excesso podem prejudicar o desenvolvimento radicular da soja e até levar embora os nutrientes do solo.